“Açougues” veganos produzem “carne” sem crueldade animal

Foto: Facebook Herbivorous Butcher

Foto: Divulgação – theherbivorousbutcher.com

É vegetariano ou vegano e torceu o nariz para as fotos das carnes que abrem essa matéria? Pois pode olhar para elas com outros olhos – as “carnes” são feitas com vegetais por “açougues” veganos, empresas especializadas em criar alimentos que copiam o sabor de itens como bacon, salsicha, rosbife, entre outros, e o melhor: sem necessitar de crueldade animal para isso.

Na última década, a cultura vegana têm gradualmente ganhado espaço. De acordo com um artigo da Food Navigator USA, 6% da população dos Estados Unidos afirma ser vegana. Enquanto cerca de 26% dos consumidores entrevistados disseram ter reduzido a quantidade de carne que consumiram no mês anterior, muitos afirmando que a principal razão para sua decisão foi o bem-estar animal.

Nos últimos dois anos, “açougues” como o Herbivorous Butcher, em Minneapolis, e oYamChops, em Toronto, no Canadá, surgiram vendendo produtos à base de vegetais, como o “Szechuan Chicken”, direcionado para um público que busca alimentos éticos e mais saudáveis.

Foto: Herbivorous Butcher

Foto: Divulgação – theherbivorousbutcher.com

“Nós não esperávamos que o sucesso fosse tão grande”, esclarece Aubry Walch, cofundadora do Herbivorous Butcher. O conceito nasceu de uma brincadeira em uma festa vegana em sua casa, onde seu irmão brincou que eles iam começar a “carnificina” vegana.

“Em nosso primeiro dia na feira dos produtores locais, nós não esperávamos vender nada”, continuou Aubry. “Nós pensávamos que seria um desastre, mas queríamos tentar de qualquer maneira. É uma causa extremamente importante. Surpreendemente, no primeiro dia, nós vendemos tudo.” Agora, os irmãos estão planejando um estabelecimento em Minneapolis.

Tanto no Herbivorous Butcher quanto no YamChops, os proprietários vendem o que parecem ser carnes e queijos, mas feitos com ingredientes como grão-de-bico e tapioca. A semelhança é tão grande que Toni Ambramson, coproprietário doYamChops, chegou a discutir com alguns clientes que achavam que a comida consumida não tinha origem vegetal.

“Queríamos que as pessoas apreciassem tanto os sabores que eles não pensassem nos nossos alimentos como simplesmente veganos”, explica Toni.

Foto: Divulgação -  theherbivorousbutcher.com

Foto: Divulgação – theherbivorousbutcher.com

Apesar de alguns questionarem o uso do termo “açougues”, tanto Walch como Ambramson afirmam que, assim como a comida, a palavra “açougueiro” em si capta a familiaridade da carnificina que está incutida na memória das pessoas. De acordo com Ambramson, o termo evoca imagens de vacas parcialmente cortadas. Ao se afiliarem a esta ideia, os açougues veganos despertam a curiosidade dos clientes para a missão da loja e para os produtos.

“Nós vemos as pessoas do lado de fora de nossa loja olhando para nossa placa, virando a cabeça dizendo ‘hein?’”, afirma Ambramson. “O termo definitivamente intriga e, como resultado, as pessoas acabam querendo saber mais”.

Foto: Divulgação -  theherbivorousbutcher.com

Foto: Divulgação – theherbivorousbutcher.com

Alguns dos clientes nestes “açougues” são veganos de longa data em busca de uma refeição saborosa e fácil de preparar, enquanto outros são novos na comunidade sem carne. Em ambos os açougues veganos, os proprietários alegaram que a maioria dos consumidores estão na última categoria. Para os ativistas, seus pratos sem carne, como salsichas e bifes, oferecem aos clientes uma maneira mais fácil de fazer a transição da carne de porco e vaca para pratos à base de vegetais.

No entanto, algumas pessoas criticam as iniciativas. Para Sara Franklin, professora da Universidade de Nova Iorque especializada na relação entre alimentação e cultura, a criação de receitas de proteínas veganas que têm gosto muito parecido com toucinho prejudica o objetivo final de fazer os consumidores apreciarem realmente uma dieta vegana. Para ela, não se deve mascarar os sabores na tentativa de imitar a carne, mas mostrar às pessoas como cozinhar vegetais de forma saborosa.

Por: Equipe eCycle
Fonte: Anda – Agência de Notícias de Direitos Animais