GANESHA

A necessidade de se expressar por meio da arte permeia sua vida

Natural da cidade de São Paulo, Vinny Grin, decidiu residir na cidade de São Bernardo do Campo no ABC paulista. A arte de um modo geral sempre circundou sua vida, ora na música como baterista e percussionista na década de 1990, ora pela necessidade até então sem explicação de desenhar, pintar, criar peças de arte, decorar etc. Hoje Vinny compreende que a espiritualidade contribui muito para que essa necessidade aconteça.

1Anapress Como surgiu o seu interesse em pintar?

Vinny Grin – A pintura como produzo hoje em dia veio após uma depressão causada por uma quebra de paradigma religioso, ou seja, eu sempre tive orientação religiosa oriunda do espiritismo, ainda na adolescência conheci as religiões de matriz africana no qual de frequentador ao longo dos anos passei a dirigente espiritual. A pedido da espiritualidade na época, abri um Ponto de Luz Umbandista que perpetuou por alguns anos, porém, sentia que a doutrina religiosa estava de alguma forma impedindo que eu galgasse novos horizontes. A medida que eu adquiria novos conhecimentos, eu sentia que meu caminho era muito mais pluralista e ecumênico do que apenas umbandista. Pois bem, resolvi fechar o “Ponto de Luz Umbandista” e foi assim que os problemas começaram (risos). Problemas estes, de cunho interpessoal, ou seja, fui taxado de charlatão em todas as redes sociais, eu tinha um canal no Youtube com mais de 100 mil inscritos (na época era o canal de umbanda mais conhecido da rede onde eu explicava sobre umbanda), fechei o canal, fui perseguido na rua, fui hostilizado nos eventos de cunho religioso etc… Enfim, entrei em depressão, não dormia mais, sofria dia e noite, foi assim que resolvi pintar como forma de aliviar tal sofrimento.

Anapress Como define seu estilo?

Vinny Grin – Eu não gosto muito de rótulos, acredito que rótulos bloqueiam qualquer forma de criação e evolução das coisas, ora eu posso estar em uma fase cubista, ora abstrata, pop-art, etc., porém, gosto de dizer que as minhas telas possuem um estilo feliz, alegre e psicologicamente curativa com as cores e os desenhos que faço. Explico melhor ao longo da entrevista.

Anapress Como você comercializa suas telas?

Vinny Grin – Por enquanto comercializo via Facebook e para amigos ou indicação de alguém. Por vezes faço algumas doações e vendas em praças e avenidas importantes na minha cidade nos finais de semana e feriados. Aceito sugestões e parcerias.

buda

Buda

Anapress Você consegue viver unicamente de seu trabalho?

Vinny Grin – Infelizmente ainda não fui abençoado desta forma e tenho um trabalho CLT onde sou um profissional da área de segurança pública do Estado de São Paulo. Mas como a maioria dos artistas plásticos que conheço, o sonho é de um dia poder viver daquilo que amamos fazer, ou seja, arte! No Brasil o artesão é muito desvalorizado não só por nossos governantes, mas também por parte da sociedade que acha que arte é artigo de luxo e quando não, querem pagar apenas 1,99 (risos).

Anapress Quais técnicas você utiliza?

Vinny Grin – Depende muito da arte, em geral utilizo a tinta acrílica, mas já usei pó de café, sal grosso, óleo, vela… digamos que utilizo técnica mista.

Anapress Você já teve a oportunidade de fazer ou participar de alguma exposição?

Vinny Grin – Infelizmente ainda não e em todas que fui convidado, eu não tinha e ainda continuo não tendo condições de pagar a taxa de inscrição que geralmente fica acima dos 300 reais. Moro de aluguel, tenho uma filha de quatro meses e meu salário é sofrível… (risos). Nunca fui convidado para tal. Mas já propus em meu Facebook de reunir artistas da minha região para uma exposição, mas não houve interesse de ninguém, nem incentivo da prefeitura da minha cidade para tal. Infelizmente se você não for um artista com nome feito no mercado, você não é nada, apenas mais um grão de areia no oceano. A vida é feita de oportunidades e eu ainda estou esperando a minha vez.

Anapress A opinião de um crítico de arte tem alguma importância para você?

Vinny Grin – De certa forma não tem importância alguma, porém dependendo da crítica e da origem da mesma, há uma tendência de efeito cascata negativo e prejudicial para o artista em início de carreia, ou seja, se a pessoa recebeu uma crítica de que a sua arte não passa emoção alguma, pode-se tender a deixar o artista desmotivado. E quem disse que a arte que unicamente a pessoa fez no íntimo de suas emoções, não passa alguma coisa para quem a vê!?. Com isso o aspirante artista é engavetado e sabe-se lá quando alguém vai abrir novamente essa gaveta interna de criações. Tenho dois pés bem atrás com críticos e professores de arte palpitando artistas novatos, pois os mais experientes nem ligam.

mandala

Mandala

Anapress Você procura aperfeiçoar seu trabalho e sua arte? Como faz isso?

Vinny Grin – Sim, sempre, até porque sou metódico em todos os setores da minha vida. Eu diria que sou chato mesmo (risos), mas isso não me faz um artista acadêmico, muito pelo contrário, eu tenho a minha arte própria e dentro daquilo que faço eu procuro lapidar aos poucos. Minha arte sofre fortes influências de cunho espiritual intuitivo e meditativo, ou seja, devido a minha estória dentro dessas matrizes religiosas mencionadas anteriormente, eu sigo minhas intuições que outrora sei que não são simples intuições. Todos os artistas, principalmente os que são criativos e usam de sua criatividade para produzir algo, são intuídos espiritualmente para chegar a tal criação, e devido a sua crença religiosa que não aceita tal intuição, o mesmo simplesmente diz que outrora é o espírito santo, ou é apenas sua mente criativa. Eu não assumo esse papel, sei que “eles e elas” me intuem e sempre com objetivo de ajudar o próximo.

Anapress Você passa por períodos que não consegue pintar, ou que o resultado de seu trabalho não é satisfatório? Como faz para mudar esta situação?

Vinny Grin – Sim, por vezes sempre tenho que dar uma pausa em meus desenhos e criações para que eu possa entender as informações intuitivas que me chega, ou seja, eu dou um tempo de alguns dias e fico sempre que possível em um estado meditativo, acalmando a mente, lapidando as informações e purificando os olhos da alma. Agora mesmo acabei de sair de cinco dias de reflexão artística no qual cheguei a uma lapidação e um novo caminho dentro da arte que produzo, mas sempre com o objetivo maior da cura através das cores e a junção com o desenho.

Anapress O que você transmite ou pretende transmitir com sua arte?

Vinny Grin – Pretendo transmitir equilíbrio emocional, saúde espiritual, alegria e paz, espero estar conseguindo ou pelo menos contribuindo com as pessoas em suas buscas neste sentido.

Anapress Alguns pintores pensam que ao conceber uma obra, eles estão alimentando o espírito. Isto acontece com você?

Vinny Grin – Acredito que tudo tem um objetivo e um porquê. Somos pedras brutas em constante lapidação. Cabe a nós canalizarmos as ferramentas certas para cada situação.

budaa

Anapress Quais são suas referências na arte? Algum pintor te inspira?

Vinny Grin – Gosto de muitas escolas de diferentes épocas, depende muito das minhas intuições e para qual finalidade a arte se destina. Em geral não me prendo a isso. Quando sento para criar algo, eu prefiro sempre ouvir música, quase sempre mantras budistas, indianos, poesia audiovisual e deixo a imaginação fluir. Sério mesmo, não me inspiro em nenhum pintor, e pode parecer loucura, eu acabo por me inspirar em telas que pintei anteriormente, coisa de maluco mesmo (risos).

Anapress Você tem alguma obra preferida, uma que mais gostou de pintar?

Vinny Grin – Essa entrevista está vindo logo após os cinco dias de reflexão que mencionei anteriormente, então estou muito focado nesta minha nova fase artística e minha primeira tela dessa nova fase foi o “Lord Ganesh”, essa tela considero a minha melhor até o momento, é a tela que talvez mais me completa e que atinge o alvo e o objetivo espiritual artístico. Outras estão na fila, aguardem.

Anapress Quais são seus temas preferidos?

Vinny Grin – Com certeza temas de cunho espiritual ou espiritualista religioso ou não, sempre gostei. Mas curto muito Cartoon, os traços dos desenhos, as cores. Minhas artes por mais espiritual que sejam, sempre terá traços de desenho animado.

Gato na Janela

Gato na Janela

Anapress Onde busca inspiração para criar e executar seu trabalho?

Vinny Grin – As inspirações quase sempre surgem de situações que presencio no dia-a-dia, seja o estresse de um colega de trabalho, seja o sorriso espontâneo de alguém que acordou super feliz, mas são as dores e as buscas espirituais das pessoas que mais me inspiram. O que eu poderia pintar para ajudar aquela pessoa a melhorar a sua vida ou simplesmente ajudar a mesma para que seu caminho seja menos árduo. Acredito nisso! Acredito que sou instrumento e canal para ajudar o próximo. Hoje utilizo a pintura com esta finalidade.

Anapress Você tem a intenção de provocar alguma reação no público com seus quadros?

Vinny Grin – Sutilmente sim, pois se a pessoa reagir de forma que a faça feliz, que a faça refletir sobre algo, que a faça conectar-se com um “mundo paralelo” e modifique seu estado mental e equilibre suas energias, sim, tenho essa intenção.

Anapress As culturas de massas influenciam de alguma forma seu trabalho?

Vinny Grin – As culturas de massas me ajudam a compreender o mental humano enquanto coletivo, o quanto nós seres humanos necessitamos estarmos em contato com outras pessoas que falam a mesma língua por assim dizer, mas é uma faca de dois gumes, pois ora podemos estar em um grupo de paz e amor, ora pode ser um grupo de ódio e iras como está sendo a nossa política ultimamente, onde a mesma segregou a população por cor de camisa (verde e amarelo ou vermelho). Tudo isso me influencia de alguma forma a criar artes que ajudam a equilibrar as pessoas, que as mostrem o “EU” interior e o lado menos materialista.

jesus

Jesus Cristo

Anapress Quando você vende um quadro é parecido como ver um “filho” partir?

Vinny Grin – Não exatamente desta forma. É como se eu lapidasse uma pedra feia, bruta, suja e a transformasse em algo translúcido, límpido e cheio de vida. Fico na verdade feliz de ver uma tela minha na casa ou escritório de alguém. Já cheguei a chorar de felicidade, chorar literalmente, quando um quadro que pintei com todo amor, carinho e totalmente conectado com a espiritualidade, foi “morar” na casa de alguém e esse alguém me deu um feedback dizendo que todos os dias a casa dessa pessoa se enche de luz e felicidade no local onde está o quadro. Vai muito da fé, claro, mas fico feliz mesmo!

Anapress O que é o projeto Pinturas de Cura? Ele já foi finalizado?

Vinny Grin – Na verdade, é um projeto eterno, cada tela que pinto tem o objetivo de curar algo para quem a adquire. Como eu disse toda tela que faço tem um objetivo espiritual e psicológico onde as cores e os desenhos simbolizam algo e com isso tem o seu poder, seja este na fortaleza da fé ou apenas nas cores empregadas. Antes de tudo isso, as artes que faço transitam no barco da decoração, aliás, qual arte não é decorativa não é mesmo? A diferença da minha é que ela tem uma energia positiva intencional em cada pincelada. Há todo um preparo de ambiente ante da pintura etc.

Anapress Caso queira citar algo que não foi perguntado fique à vontade.

Vinny Grin – Gostaria de deixar o meu Facebook para quem quiser me adicionar, todos serão muito bem-vindos (Facebook.com/vinnygrin), venha me conhecer melhor, bater um papo, tomar um café virtual e é claro quem sabe um café real. Obrigado pela oportunidade que este Portal me proporcionou de contar um pouco da minha vida a todos vocês. Obrigado a todos que dispuseram ler esta entrevista. Namastê – Saravá – Amém.

Vinny Grin – (11) 9-8962-0406

 

 

 

Por: Edna Pessanha