stock

Lifelong Learning: Por que é necessário estudar por toda a vida 

SMALLVocê já deve ter percebido que o mundo muda rapidamente.

E também já deve ter notado que quem não atualiza seus conhecimentos, em poucos anos, pode ficar para trás – tanto no mundo profissional, quanto cultural, quanto educacional.

E é nesse cenário em que o conceito de lifelong learning, a ideia de perseguir conhecimento por toda a vida, ganha cada vez mais espaço.

A Lifelong Learning Council Queensland (LLCQ) é uma instituição que promove o conceito, definido como “um aprendizado que é perseguido durante a vida: um aprendizado que é flexível, diverso e disponível em diferentes tempos e lugares. O lifelong learning cruza setores, promovendo aprendizado além da escola tradicional e ao longo da vida adulta”.

Para colocar em prática o lifelong learning é necessário “aprender a aprender”. E, para isso, defendem o entusiastas do conceito, é necessário se desprender da ideia de educação formal e aceitar que podemos aprender sozinhos, em grupo, em casa, na internet, na escola, na rua, no trabalho, em qualquer lugar. Pode ser com cursos formais, mas não necessariamente. O que você mais precisa é correr atrás.

No que se baseia a ideia de lifelong learning
A LLCQ defende que o lifelong learning se estrutura em quatro pilares:

Aprender a saber
É necessário dominar as ferramentas e a organização para poder aprender sozinho, sem depender de ninguém.

Aprender a fazer
O conhecimento, se não for colocado em prática, não serve para muita coisa. Por isso, é necessário equipar-se com ferramentas que conectem o aprendizado à vida e deem utilidade a ele.

Aprender a viver junto com os outros
Vivemos em sociedade e isso traz uma série de desafios. A única forma de resolvê-los é utilizando o conhecimento com estratégias específicas, capazes de resolver conflitos, promovendo inclusão social, resiliência econômica, competências individuais e articulação de comunidades.

Aprender a ser
A educação colabora para o desenvolvimento pessoal. Quanto mais aprendemos e praticamos o conhecimento, melhor nos tornamos. Portanto, mais do que praticado, o conhecimento adquirido deve ser incorporado e internalizado.

Um estudante interessado em seguir o caminho do lifelong learning precisa aprender a gerenciar a incerteza, se comunicar com diferentes culturas e lidar com conflitos, diz o LLCQ.

Por que o lifelong learning se tornou um imperativo econômico
Se você não é motivado a continuar estudando pelo mero prazer do conhecimento ou pela possibilidade de ser alguém melhor, eis mais um incentivo: é questão de sobrevivência econômica – principalmente em países desenvolvidos.

Segundo a revista Economist, para cada ano a mais de estudos que alguém segue, o salário tende a crescer entre 8% e 13%. E a publicação britânica aponta ainda que, em um mundo com crises econômicas e desenvolvimento tecnológico acelerado, a tendência deve ganhar ainda mais força.

E a resposta, não necessariamente vem da educação formal. Ao passo em que a reciclagem de conhecimentos se acelera, graduações e pós-graduações não dão conta de acompanhar as mudanças. Ao mesmo tempo, enquanto diplomas continuam a ser pré-requisitos no mercado de trabalho, paradoxalmente, eles inspiram menos confiança a trabalhadores e empregadores.

Pesquisa da Pew Research Centre, por exemplo, indica que apenas 16% dos estadunidenses acreditam que um diploma de um curso de quatro anos prepara os estudantes bem o suficiente para um emprego bem pago. O mesmo estudo ainda indica que 54% dos trabalhadores consideram essencial desenvolver novas habilidades durante suas vidas profissionais. E uma pesquisa da Manpower Group mostra que 93% dos millenials consideram gastar o próprio dinheiro em aprimoramento educacional e profissional.

Nesse cenário há uma única certeza: já se foi o tempo em que estudar na escola e na faculdade era suficiente. Prepare-se para estudar durante toda sua vida adulta – seja pelo caminho formal ou informal.

 

 

Por: Kaluan Bernardo
Free The Essence