Vale a pena conhecer Holambra?

Visitar ou não visitar Holambra? Depende! A resposta é sim se a intenção é conhecer um dos maiores e mais encantadores centros de floricultura do continente. A cidade do interior de São Paulo criada por imigrantes holandeses em 1948 impressiona. E não só pela diversificada produção de flores e plantas ornamentais. Oferece um turismo único, seja pela típica arquitetura, artesanato, e cultura e deliciosa gastronomia.

Mas se a intenção for só visitar a Expoflora, realizada em setembro de cada ano, pense duas vezes! Nem mesmo a realização de eventos paralelos, como desfiles em carros alegóricos de flores com direito a chuva de pétalas justificam a viagem.

Expoflora ou Exploraflora?

Fuja da Expoflora se não quiser pagar caríssimo pelo estacionamento, ingresso, e o preços das mercadorias. E ainda correr o risco de ser empurrado por uma multidão em área sem capacidade para receber tanta gente. Afinal, são 300 mil visitantes durante o evento, segundo os organizadores. Os atendentes da feira, atônitos com o movimento, mostram-se desinformados. Imensas filas nos Caixas desestimulam até o consumidor mais animado.

Aliás, fazer compras na Expoflora é péssimo negócio. Vamos dizer que alguém queira ir lá para adquirir uma orquídea. Os custos começariam pela viagem a Holambra, em média de 100 km, com pedágio ida e volta (100,00). Some-se o estacionamento (40,00), o ingresso (48,00 por pessoa) e a própria orquídea (34,00). Ou seja, a flor sairia por 132,00 – umas oito vezes mais que o cobrado em supermercados (17,00).

O aviso do Trip Advisor

Esta avaliação não é só baseada apenas na minha experiência pessoal. Basta conferir no Trip Advisor algumas reclamações de turistas. Eis alguns trechos extraídos:

  • “Restaurante da Fazenda, R$43,00 por pessoa, no recinto interno da Feira: comida malfeita e ruim…”.
  • “Fomos hoje pela primeira vez na Expoflora em Holambra e foi decepcionante… Não valeu a viagem”.
  • “A Expoflora é uma pegadinha que você não vai esquecer. Saímos exaustos com a hiper-lotação, falta de locais para descanso e excesso de gente e filas em tudo. Vimos senhoras passando mal, muita gente reclamando. Perdeu totalmente o encanto, e virou mero evento comercial, voltado para o lucro acima de tudo…”.
  • “Para aqueles que colocam muita expectativa nesse evento, cuidado! A Expoflora não dá protagonismo às flores. Também não espere bom gosto ou manifestações culturais genuinamente holandesas e bem executadas…”

Rabo preso? Por que blogueiros e imprensa só falam maravilhas de Holambra e não apontam problemas, como apontam críticas no TripAdvisor? Leia  

A Expoflora não faz jus à comunidade produtiva e hospitaleira de Holambra. Até porque, fora do pavilhão, na estrada ou entorno, não faltam excelentes floriculturas com preços decentes. Assim como comerciantes conscientes, que não só discordam da exploração predatória dos turistas, como sugerem voltar à cidade em outra época do ano.

A verdadeira Holambra

Holambra não merece isto. O nome, junção de Holanda, América e Brasil, é fruto de um lindo sonho de imigrantes que deu certo. Destaca-se pelos altos índices de qualidade de vida e segurança. É responsável por 80% da exportação de flores, e 40% da produção brasileira.

Oferece inúmeras atrações turísticas. Como campos de produção de flores, estufas e viveiros de plantas ornamentais. Ou o Lago Vitória Régia e o Moinho Povos Unidos, o maior da América Latina, entre outros atrativos.

Eventos têm a formidável capacidade de atrair pessoas para um destino. No entanto, se mal administrados, podem provocar uma reação inversa. Pelo bem do turismo brasileiro, torcemos que este não seja o caso em Holambra.

 

Por: Fabio Steinberg
Viagens & Negocios – o blog da mobilidade
www.blog.steinberg.com.br