Para o próximo ano: pondere os conselhos para não cair em ciladas

“Está certo que precisamos agir por nós mesmos e não dar tanta atenção pra opiniões alheias, mas, se for muito exagerado, de novo você cai no problema de se achar o centro do universo. Precisamos lembrar que, às vezes, tomamos decisões estúpidas e precisamos mesmo ouvir um amigo que bote juízo na nossa cabeça, principalmente depois de um término de namoro, uma discussão com o chefe ou uns drinques. O importante é saber separar quem está só palpitando pra te diminuir e quem realmente se preocupa com você, sem deixar que os conselhos dos outros comandem a sua vida. Mas é fato que, se você pensa que amigos só servem pra te chamar de linda, princesa da Disney e dizer que você tá certíssima e falou tudo, esse é o primeiro sinal de que você não tem amigos. Quem é amigão, mesmo, está sempre lá pra te lembrar que seu e-mail adolescente era blinkgirl_cat@hotmail.com rir da sua cara. (…) E, sim, vai haver coisas que vão te dizer pra não fazer, você vai fazer e se arrepender. E ainda vai ter que ouvir um insuportável e sonoro “eu avisei”. Mas a verdade é que, mesmo que você se arrependa, nada nesta vida é em vão, e você vai aprender algo com aquilo – ou vai rir, pelo menos.” Páginas 78 e 79 – Nath Araujo – Eu acho que você é meio doido, sim

Mais um ano, promessas vão e vem? Pois é. É importante lembrar das coisas que tem um impacto significante na nossa vida, como exemplo, conselhos. Mas como separar os bons dos ruins? Ponderar opiniões alheias não é fácil, afinal às vezes elas vêm de pessoas que querem o nosso bem ou não. Em um dos capítulos de Eu acho que você é meio doido, sim, obra publicada pelo selo outro Planeta, da Editora Planeta, a ilustradora Nath Araujo fala de forma divertida sobre como se arrependeu de algumas decisões e escolhas.

A autora também comenta sobre a importância da amizade verdadeira na hora de opinar na vida do colega, pois nem sempre conselhos são um “tapinha nas costas”, eles também podem mostrar uma dura verdade. A amizade requer coragem.

Entre divertidas passagens de sua vida e ilustrações encantadoras, Nath mostra em seu livro temas como aceitação, mundo jovem, internet, conselhos, experiências e muito mais.

 

Por : Fernanda Baruffaldi