Conheça os impactos econômicos, sociais e ambientais do fast fashion

Cerca de 20 peças de roupa por pessoa são fabricadas a cada ano. O crescimento da indústria de vestuário tem sido alimentado pelo fast fashion, que torna as roupas mais acessível pelo preço baixo. Um caminhão de lixo de roupas é queimado ou enviado para aterros a cada segundo! O consumidor médio comprou 60% mais roupas em 2014 do que em 2000, mas manteve cada peça por metade do tempo. Devido ao seu grande impacto socioambiental, a indústria do vestuário deve adotar uma nova abordagem para atender de forma sustentável a demanda nos mercados do amanhã .

Maior Produção e Consumo

O fast fashion usa modelos inovadores de produção e distribuição para encurtar dramaticamente os ciclos de moda, às vezes levando uma peça de roupa do designer ao cliente em questão de semanas, em vez de meses. O número de temporadas de moda aumentou de duas por ano – primavera / verão e outono / inverno – para 50 a 100 micro-temporadas.

Longe vão os dias em que as pessoas compram roupas e as usam por anos. Em um mundo de demanda acelerada por vestuário, os consumidores querem e podem pagar mais por roupas novas, depois de usar as roupas apenas algumas vezes. Modelos inteiros de negócios são construídos sob a premissa de fast fashion, fornecendo roupas de maneira barata e rápida aos consumidores por meio de ciclos de moda mais curtos.

Esse modelo linear de compra, uso e descarte rápido de roupas afeta negativamente as pessoas e os recursos do planeta. Aqui está uma olhada nas implicações econômicas, sociais e ambientais:

A economia

Segundo relatório da Fundação Ellen McArthur, a produção de roupas dobrou nos últimos 15 anos, impulsionada pela crescente população de classe média em todo o mundo e pelo aumento das vendas per capita nas economias desenvolvidas. Um aumento esperado de 400% no PIB mundial até 2050 significará uma demanda ainda maior por roupas.

Esta poderia ser uma oportunidade para fazer melhor. O relatório descobriu que lidar com problemas ambientais e sociais criados pela indústria da moda proporcionaria um benefício total de US $ 192 bilhões para a economia global até 2030. O valor anual de roupas descartadas prematuramente é de mais de US $ 400 bilhões.

Os três videos a seguir tem legendas em inglês com tradução.

Os impactos ambientais

A produção de vestuário também é intensiva em recursos e emissões. Considere isso:

  • Roupas descartadas feitas de tecidos não biodegradáveis ​​podem permanecer em aterros por até 200 anos.
  • São necessários 2.700 litros de água para fazer uma camiseta de algodão, o suficiente para atender às necessidades de consumo de uma pessoa média por dois anos e meio.

Até 2030, haverá 5,4 bilhões de pessoas na classe média global , acima dos 3 bilhões em 2015. Podemos esperar um aumento na demanda por roupas e outros bens que definem os estilos de vida de renda média. Se o consumo continuar na taxa atual, precisaremos de três vezes mais recursos naturais até 2050 em comparação com o que usamos em 2000.

Os impactos sociais

A produção de roupas ajudou a estimular o crescimento nas economias em desenvolvimento, mas um exame mais detalhado revela uma série de desafios sociais. Por exemplo:

  • 75 milhões de pessoas estão fazendo nossas roupas hoje, e 80% das roupas são feitas por mulheres jovens com idades entre 18 e 24 anos.
  • Trabalhadores de vestuário, principalmente mulheres, em Bangladesh fazem cerca de US $ 96 por mês. Um um trabalhador de vestuário precisa de 3,5 vezes esse valor para viver uma “vida decente com instalações básicas”.
  • Um relatório de 2018 do Departamento de Trabalho dos EUA encontrou evidências de trabalho forçado e infantil na indústria da moda na Argentina, Bangladesh, Brasil, China, Índia, Indonésia, Filipinas, Turquia, Vietnã e outros países.

O rápido consumo de roupas e a necessidade de entregar ciclos curtos de moda estressam os recursos de produção, geralmente resultando em cadeias de suprimentos que colocam os lucros à frente do bem-estar humano. Assumir recursos infinitos em um mundo finito não é um modelo de negócios sustentável.

Além das preocupações ambientais, o consumo descontrolado prejudicará as metas econômicas e sociais do mundo. Algumas empresas de vestuário irão ignorar esses sinais e continuar com os modelos de negócios tradicionais de produção de roupas descartáveis. Outras adotarão modelos inovadores que trabalham dentro dos limites planetários e são mais adequados para os mercados do futuro.

Então o que fazer?

Vestuário é apenas um setor competindo por recursos naturais, mas é importante que os fabricantes de roupas comecem a transformar seus modelos de negócios agora, dada a forte trajetória de crescimento do setor. Muitas empresas estão cientes dos riscos ambientais e estão prontas para agir.

O primeiro passo é que as empresas mensurem seus impactos ambientais e entendam as áreas em que podem melhorar. O Índice Higg da Sustainable Apparel Coalition permite que as empresas meçam os impactos ambientais, sociais e trabalhistas de seus produtos e serviços, e o trabalho está sendo feito com base na orientação das Metas Baseadas na Ciência para a indústria do vestuário .

Algumas empresas estão trabalhando para melhorar sua eficiência de recursos. A H & M e a Zara, as maiores rede de fast fashion do mundo, juntaram-se a outras 33 empresas de moda, prometendo aumentar sua reciclagem de roupas até 2020 e estão coletando e reciclando roupas usadas em muitas de suas lojas. O próximo passo é reconhecer que as empresas devem fazer mais do que melhorar a eficiência para atender de forma sustentável a demanda nos próximos anos.

Elas devem produzir menos coisas. Algumas empresas já reconheceram isso e estão testando novos modelos, embora esses exemplos ainda sejam a exceção e não a regra. O programa Worn Wear da Patagonia oferece um serviço para consertar roupas antigas em vez de apenas vender roupas novas. Empresas como a Mud Jeans, a Rent the Runway e a Gwynnie Bee estão experimentando modelos de aluguel. Algumas empresas, como a Zady’s, estão pedindo um retorno ao slow fashion, promovendo-a como um componente-chave para seu modelo de negócios.

Para manter a indústria de vestuário viável no futuro, a questão do consumo deve ser trazida à tona e deve começar agora. Este é apenas o começo da transformação radical necessária. Para atender à demanda futura de roupas de maneiras inovadoras, as empresas precisarão fazer o que nunca fizeram antes: projetar, testar e investir em modelos de negócios que reutilizem roupas e maximizem sua vida útil. Para empresas de vestuário, é hora de interromper ou ser interrompido.